Por em 18/dez/2015

CARTA DE REPÚDIO À MODALIDADE EAD PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA



Rep-dio-Modalidade-EAD-para-cursos-de-gradua-o-em-Fisioterapia

São Paulo, 18 de setembro de 2015.

 

CARTA DE REPÚDIO À MODALIDADE EAD PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA

 

           Conforme as Diretrizes Curriculares Nacionais para Curso de graduação em Fisioterapia, o profissional deve ter “formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado a atuar em todos os níveis de atenção à saúde, com base no rigor científico e intelectual. Detém visão ampla e global, respeitando os princípios éticos/bioéticos, e culturais do indivíduo e da coletividade. Capaz de ter como objeto de estudo o movimento humano em todas as suas formas de expressão e potencialidades, quer nas alterações patológicas, cinético-funcionais, quer nas suas repercussões psíquicas e orgânicas, objetivando a preservar, desenvolver, restaurar a integridade de órgãos, sistemas e funções, desde a elaboração do diagnóstico físico e funcional, eleição e execução dos procedimentos fisioterapêuticos pertinentes a cada situação”. Destaca-se que o ato de cuidar envolve a complexidade e a diversidade do ser humano e que, assim, é fundamental a vivência em situações reais durante a formação acadêmica.

            O Fisioterapeuta, no seu exercício profissional, requer conhecimento teórico e habilidades, tanto técnicas quanto as de relacionamento interpessoal, com ênfase na comunicação e trabalho em equipe, que proporcionará cuidado e atendimento de qualidade, resolutivo e humanizado. Para tanto, faz-se necessário o treinamento em diferentes cenários de aprendizagem e situações e condições variadas na sua formação para o mundo do trabalho e às necessidades reais de saúde das pessoas. A partir dessas considerações, como seria possível a formação do fisioterapeuta em um curso à distância, mesmo que estejam previstos encontros presenciais esporádicos?

            A necessidade da formação de um profissional de saúde voltada para o Sistema Único de Saúde e o cuidado integral como premissa fundamental do exercício, contribui para a consolidação dos princípios do SUS. As atuais discussões no panorama mundial sobre a interprofissionalidade e práticas colaborativas, como forma de potencializar a oferta de cuidado em saúde, e seus resultados, exige o trabalho em equipe como base das abordagens de caráter multi, inter e transdisciplinar, no cotidiano das pessoas diretamente envolvidas na relação ensino-serviço-comunidade, o que não seria possível frente à modalidade de ensino à distância.

        Nas Diretrizes Curriculares Nacionais estão descritas as competências e as habilidades gerais necessárias à formação profissional do Fisioterapeuta, que abrangem atividades práticas em laboratórios, que proporcionarão conhecimento quanto às diferentes disciplinas, bem como situações de agravo à saúde que comprometem a funcionalidade das pessoas. Tais atividades desenvolverão as habilidades de relacionamento interpessoal, com vistas a comunicação, trabalho em equipe, promoção da adesão, acolhimento e humanização. As disciplinas de Conhecimentos Fisioterapêuticos são desenvolvidas por meio de fundamentação teórica de suas abordagens terapêuticas e o treinamento na utilização de todos os métodos, técnicas, recursos, essenciais ao processo de promoção, proteção e recuperação da saúde,  inclusive com práticas junto ao usuário nos equipamentos sociais, e em especial, da saúde. Nesse sentido, a maioria das intervenções envolvem o movimento e toque terapêutico, que devem ser desenvolvidos ao longo da formação acadêmica e, para isso, há necessidade de contínuas atividades presenciais.

            Além do exposto acima, há que se considerar que o Art. 7º da Resolução CNE/CES nº 4/2002, versa que “A formação do Fisioterapeuta deve garantir o desenvolvimento de estágios curriculares, sob supervisão docente. A carga horária mínima do estágio curricular supervisionado deverá atingir 20% da carga horária total do Curso de Graduação em Fisioterapia proposto, com base no Parecer/Resolução específico da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação. Parágrafo único. A carga horária do estágio curricular supervisionado deveráassegurar a prática de intervenções preventiva e curativa nos diferentes níveis de atuação: ambulatorial, hospitalar, comunitário/unidades básicas de saúde etc”.  E o Artigo 1º. da Lei 11.788, de 25 de setembro de 2008, que dispõe sobre o estágio de estudantes, determina que o “estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho […]” (grifo nosso). Os conteúdos desenvolvidos e a vivência proporcionada no estágio poderiam ser viáveis em EAD?

            A ABENFISIO tem como premissa a formação de fisioterapeutas com qualidade, por meio da discussão e reflexão coletiva em seus Fóruns, bem como elaborar documentos em prol da melhoria contínua dos cursos de graduação em Fisioterapia no Brasil. Entende-se, portanto, que a proposição de cursos de graduação em Fisioterapia na modalidade à distância vai à contramão do que se deseja por formação de profissionais com qualidade e contrário a todas as recomendações oriundas das discussões e reflexões coletivas em seus Fóruns.

            Assim, registramos nosso repúdio quanto à autorização e reconhecimento de cursos de graduação em Fisioterapia na modalidade à distância.

 

Coordenação Nacional da ABENFISIO

  • Fórum Nacional 2017

  • Fóruns Estaduais

  • Consulta Pública DCN

  • Materiais de Apoio